Qual exame de urina detecta pedra nos rins? | Dr. Eduardo Costa

qual exame de urina para detectar pedra nos rins

As pedras nos rins são um problema de saúde que afetam muitas pessoas em todo o mundo. Essas pedras podem causar dor intensa, além de outros sintomas, como náuseas e vômitos.

O diagnóstico precoce é fundamental para iniciar o tratamento e evitar complicações.

Muitas pessoas acreditam que o exame de urina seja suficiente para o diagnóstico preciso das pedras nos rins.

Mas será que isso é verdade?

No artigo de hoje, iremos abordar qual exame de urina detecta pedra nos rins.

O que são as pedras nos rins?

Antes de falarmos sobre qual exame de urina detecta pedra nos rins, é necessário entendermos o que são essas pedras.

Em suma, as pedras nos rins são formações sólidas que se desenvolvem nos rins ou em outras partes do trato urinário.

Elas podem variar de tamanho e ser compostas por diferentes materiais, como cálcio, ácido úrico e oxalato.

Sintomas

Os sintomas de pedras nos rins podem variar de pessoa para pessoa.

Alguns indivíduos podem não apresentar sintomas, enquanto outros podem sentir dor intensa e outros desconfortos.

No entanto, dentre os sintomas mais comuns de pedras nos rins, podemos mencionar as seguintes:

  • Dor na parte inferior das costas ou na lateral do abdômen;
  • Dor intensa ao urinar;
  • Náusea e vômito;
  • Sangue na urina;
  • Dor ao urinar.

Como diagnosticar?

Existem diversas maneiras de diagnosticar as pedras nos rins.

O ideal é sempre procurar um médico urologista para investigar os sintomas, realizar um exame físico completo e solicitar exames complementares.

Dentre os exames complementares iniciais, destacam-se o exame de urina, de sangue e o raio X de abdome.

Neste artigo, focaremos no exame de urina para detecção das pedras nos rins.

Qual exame de urina detecta pedra nos rins?

Nenhum exame de urina confirma a presença de pedras nos rins. No entanto, ela pode dar indícios da sua presença.

Ou seja, é um exame inicial que deve ser complementado por outros exames de imagem.

Existem basicamente três tipos de exame: o exame de urina tipo 1, urocultura com antibiograma e o exame de urina de 24 horas.

qual exame de urina detecta pedra nos rins
Qual exame de urina detecta pedra nos rins?

Urina tipo 1

O exame de urina tipo 1 é simples, rápido e fácil de coletar. Ele pode fornecer informações como a presença de hemácias, hemoglobina e cristais de oxalato de cálcio, por exemplo.

Estes são indícios inespecíficos que sugerem alterações do trato urinário (infecções urinárias, pedras nos rins, câncer de bexiga, tumores renais, dentre outros).

Desta forma, caso o exame de urina tipo 1 apresente alguma alteração, é fundamental a sua complementação com outros exames complementares.

Urocultura com Antibiograma

Este é um complemento do exame de urina tipo 1 e é interpretado na mesma amostra de urina.

É fundamental para avaliar a presença ou não de bactérias, seu nome e quais são os antibióticos que a bactéria é sensível ou resistente.

É um exame fundamental para pacientes que apresentam infecções de urina recorrentes ou resistentes e cálculos urinários infectados.

Urina 24 horas

Este exame é completamente diferente do exame de urina tipo 1.

Coleta-se toda a urina eliminada por um período de 24 horas.

Não tem a função de diagnosticar pedras nos rins ou de sugerir a presença de alterações do trato urinário.

Sua função é investigar possíveis causas para a formação das pedras nos rins (excreção diminuída de citrato, aumentada de cálcio ou oxalato e outras alterações).

A urina de 24 horas é essencial para analisar de forma mais precisa a excreção de diversos metabólitos.

A partir disto, é possível realizar um tratamento para a prevenção das pedras nos rins.

Desta forma, são analisados o pH urinário, densidade da urina, excreção de proteínas, sódio, potássio, citrato, oxalato, ácido úrico, cálcio, ureia, fosfato, fósforo, magnésio, dentre outras.

De acordo com um estudo científico, publicado na revista internacional Urolithiasis, apenas 13% dos pacientes que apresentaram cálculo renal, foram submetidos a um exame de urina de 24 horas para investigar a causa dos cálculos.

Este estudo sugere que uma minoria dos pacientes é investigado adequadamente quanto a origem do cálculo renal, e este dado é alarmante.

Preparo para o exame de urina tipo 1

O preparo é simples.

É necessário estar com vontade de urinar, estar há 02 horas sem urinar e realizar uma limpeza adequada da região genital antes da coleta (para evitar contaminação do exame com bactérias da genitália externa).

Após a coleta, fechar o recipiente adequadamente e entregar ao laboratório.

Não é recomendado a ingesta hídrica excessiva antes do exame de urina, ingerir bebidas alcoólicas, drogas ou realizar uma alimentação fora do comum no dia que antecede o exame.

Essas práticas podem alterar o resultado do exame.

Como é realizado?

Após descartar o primeiro jato, o paciente realiza a primeira micção do dia em um recipiente estéril.

Este recipiente é entregue ao laboratório que irá realizar as análises microscópicas de células sanguíneas, leucócitos, presença de bactérias, nitrito, pH, densidade, coloração da urina, dentre outras.

O tempo para o resultado varia de acordo com o laboratório, mas costuma ser de 1 a 3 dias úteis.

O que fazer se o exame de urina vir com sinais de pedras nos rins?

Procure um médico urologista.

Ele é o profissional qualificado para verificar os tipos de alterações do exame de urina, realizar uma avaliação específica e solicitar exames complementares.

É válido lembrar que as alterações do exame de urina são inespecíficas, ou seja, a presença de hemoglobina e hemácias não confirma a presença de pedras nos rins.

Diversas alterações como infecções de urina, tumores de bexiga, contaminação da amostra, podem apresentar resultados semelhantes.

Desta forma, é fundamental sempre procurar um profissional qualificado para a avaliação.

Qual o melhor exame para detectar cálculo renal?

A tomografia computadorizada sem contraste é o melhor exame para detectar as pedras nos rins. Pode ser realizada com baixa dose de radiação ou de forma tradicional.

Ela consegue identificar características específicas que outros exames não fornecem, como:

– Tamanho real do cálculo

– Localização

– Distância do cálculo até a pele

– Distância do cálculo até o rim ou bexiga

– Alterações das vias urinárias

– Densidade do cálculo

Todas estas informações, em conjunto com a avaliação completa do médico urologista, são essenciais para a definição do melhor tratamento para cada caso.

Conclusão

Neste artigo explicamos qual exame de urina detecta pedra nos rins.

É valido lembrar que o o exame de urina é um exame inicial que pode dar indícios de alterações renais, como as pedras nos rins.

No entanto, é fundamental ter em mente que este exame não diagnostica com precisão nenhuma alteração renal, sendo necessário sempre uma avaliação completa com o médico urologista, em conjunto com exames complementares – exames de sangue e de imagem (ultrassonografia, tomografia).

Perguntas Frequentes

O exame de urina para detecção de pedras nos rins é doloroso?

Não, a coleta do exame de urina não causa dor ou desconforto.

É um exame simples em que se realiza a micção e a coleta da urina em um recipiente estéril, que é entregue ao laboratório para ser analisado.

Qual exame de urina detecta problema nos rins?

Isoladamente, nenhum exame de urina detecta problema nos rins.

No entanto, o exame de urina tipo 1 e a urina de 24 horas podem dar indícios de alterações renais como: sangue na urina (microscopicamente ou não), leucócitos (sinais de infecção), excreção inadequada de eletrólitos (sódio, potássio, magnésio, citrato, oxalato, dentre outros) ou de proteínas.

Estes exames, em conjunto com um exame de sangue (para avaliar função renal) e um exame de imagem (ultrassonografia ou tomografia computadorizada) detectam alterações renais com precisão.

Referências

  1. National Institute of Kidney Diseases. https://www.niddk.nih.gov/health-information/urologic-diseases/kidney-stones/diagnosis
  2. Ministério da saúde. https://bvsms.saude.gov.br/calculo-renal-pedra-no-rim/
  3. Pubmed. Williams, James C Jr et al. “Urine and stone analysis for the investigation of the renal stone former: a consensus conference.” Urolithiasis vol. 49,1 (2021): 1-16. doi:10.1007/s00240-020-01217-3

Artigo escrito por:

Dr. Eduardo Costa

Dr. Eduardo Costa

Médico Urologista. CRM: 175220-SP | RQE: 103714 Especialista em Cirurgia Minimamente Invasiva (Cirurgia Robótica, Videolaparoscopia e Laser)

Utilizamos cookies para tornar melhor a sua experiência em nosso site. Assim, podemos personalizar conteúdos e oferecer uma navegação mais segura. Ao continuar, você aceita o uso de cookies. Acesse nossa Política de Privacidade para saber mais