Raspagem da Próstata causa impotência? Saiba tudo | Dr. Eduardo Costa

A próstata aumentada ou hiperplasia prostática benigna é uma condição muito frequente em homens após os 50 anos de idade.

Em muitos casos, o uso de medicamentos não é suficiente para a melhora do quadro, sendo necessária a cirurgia.

A raspagem da próstata se destaca como um dos métodos mais adequados para o tratamento desta condição.

O objetivo deste artigo é justamente explicar sobre a cirurgia de raspagem da próstata causa impotência, como ela é feita, indicações, recuperação e cuidados após a cirurgia.

O que é a raspagem da próstata?

A raspagem de próstata ou RTU (ressecção transuretral) da próstata é um procedimento cirúrgico para o tratamento da próstata aumentada (hiperplasia prostática benigna).

É realizado em centro cirúrgico, sob anestesia, por meio do endoscópio. Ou seja, a cirurgia é realizada no interior do canal urinário, sem a realização de cortes na pele.

Quando há o crescimento da próstata, o adenoma (popularmente chamado de miolo da próstata) obstrui a via urinária, causando dificuldades para urinar.

A RTU de próstata é o procedimento em que este adenoma é ressecado, a fim de desobstruir a via urinária e melhorar a micção do paciente.

Na ilustração abaixo, podemos identificar a desobstrução do canal urinário após o procedimento.

raspagem da próstata, foto de uma próstata aumentada e após a raspagem
Ilustração de uma próstata aumentada antes e depois da RTU de próstata.

É valido lembrar que cada caso é individual e esta é somente uma foto lúdica, a fim de representar a desobstrução da via urinária após a raspagem da próstata.

Existem diversos tipos, graus e particularidades de cada caso. Desta forma, os resultados podem variar e não necessariamente condizem com a ilustração abaixo.

Indicações

Refratariedade ao tratamento com medicamentos

– Infecções Urinárias de Repetição

Retenção urinária

– Formação de pedras na bexiga

– Insuficiência renal

– Alterações específicas das vias urinárias

É valido lembrar que a RTU de próstata é indicada para homens com próstata de até 100 gramas, aproximadamente.

Para próstatas com volumes extensos, a raspagem não é o procedimento ideal. Nestes casos, optamos por outros procedimentos, como a cirurgia robótica de próstata.

Antes de qualquer procedimento, todo paciente deve ser avaliado individualmente em relação a função erétil, desejo de paternidade, condições clínicas para cirurgia, uso de anticoagulantes e tamanho da próstata.

Como é feita?

Este procedimento é realizado em centro cirúrgico sob anestesia e/ou sedação.

Inicialmente, é introduzido por dentro do pênis um pequeno dispositivo com uma câmera acoplada, chamado ressectoscópio.

Visualizamos toda a uretra e chegamos até a bexiga.

Após visualização completa da bexiga, recuamos até a uretra prostática, onde estarão os adenomas que obstruem o canal urinário.

Eles são ressecados, cauterizados e enviados para biópsia.

Após o procedimento deixamos uma sonda vesical de demora com irrigação de soro fisiológico contínua.

Esta irrigação é essencial para lavar a bexiga e evitar que pequenos coágulos obstruam as vias urinárias.

Após acordado, o paciente é encaminhado para o quarto.

Cicatriz

Não há cicatriz. Todo o procedimento é realizado por dentro das vias urinárias, sem cortes ou incisões.

Os fragmentos do adenoma da próstata (que obstruíam o canal) são removidos pelo próprio canal do pênis.

Vantagens

– Procedimento simples e rápido

– Sem cortes na pele

– Alta hospitalar precoce

– Menor dor pós operatória

Segundo uma revisão sistemática, publicada no Journal of Endourology, este procedimento melhora significativamente o fluxo urinário e os sintomas, com um curto período de internação hospitalar e de uso de sonda vesical de demora após a cirurgia.

Desvantagens

– Necessidade de materiais cirúrgicos específicos

– Inadequado para próstatas grandes (maiores que 100 gramas)

– Realizada somente em centro cirúrgico

Efeitos colaterais

O principal efeito colateral é a “ejaculação seca” ou retrógrada.

Isso ocorre, pois, durante a ressecção do adenoma (miolo da próstata), há uma alteração da anatomia da próstata e do colo vesical.

Desta forma, ao ejacular, parte do líquido seminal irá para a bexiga e depois será eliminado durante a micção.

Sendo assim, a ereção e o orgasmo acontecerão normalmente, porém a quantidade de líquido seminal eliminada ao ejacular será menor.

Complicações

– Infecção urinária

– Sangramento na urina

– Retenção urinária por coágulos

– Alterações metabólicas

– Incontinência urinária (evento raro, normalmente transitório)

– Estenose de colo vesical (alteração tardia)

É importante lembrar que esta é uma cirurgia de médio porte realizada rotineiramente com baixas taxas de complicações, assim como a cirurgia de pedra nos rins.

Preparo pré operatório

O preparo consiste em uma série de medidas para otimizar os resultados do procedimento. São elas:

– Coletar os exames pré operatórios (exame de sangue, radiografia de tórax e eletrocardiograma) e complementares (caso haja indicação pelo anestesista ou cardiologista);

– Coletar exame de urina com urocultura

– Coletar exame de urofluxometria e estudo urodinâmico (caso necessário)

– Levar todos os exames no dia da cirurgia

– Utilizar os medicamentos prescritos pelo médico até o dia da cirurgia

Recuperação

A recuperação é tranquila. O paciente costuma ter alta em até 48 horas após o procedimento.

Logo após a cirurgia, deixamos uma sonda vesical de demora em irrigação com soro fisiológico contínuo. Essa irrigação é diminuída ao longo dos dias até a urina ficar clara.

Após isso, retiramos ou não a sonda vesical de demora (a depender de cada caso) e damos alta ao paciente.

É comum os homens apresentarem um leve desconforto no pênis e acima do púbis, além de um discreto sangramento na urina nos primeiros dias.

Isso é normal e o quadro costuma ser resolvido com o uso de analgésicos, anti-inflamatórios e hidratação.

É importante que o paciente siga alguns cuidados recomendados a ele após a cirurgia.

Cuidados após a cirurgia

– Utilizar os medicamentos prescritos por seu médico;

– Caso esteja de sonda, não tracionar a sonda vesical de demora em hipótese alguma;

– Ingerir 03 litros de água diariamente;

– Dieta rica em frutas e verduras (para evitar o esforço na hora de evacuar);

– Não realizar atividades físicas intensas ou relação sexual até a liberação médica;

– Não tomar anticoagulantes até liberação médica;

– Caso a sonda obstrua, retornar imediatamente ao hospital;

– Retornar ao consultório precocemente, caso haja qualquer dúvida ou alterações;

Qual o preço da Raspagem da próstata em SP?

O valor da cirurgia de raspagem da próstata varia de acordo com cada equipe médica e do hospital em que o procedimento será realizado.

Os convênios médicos costumam reembolsar os honorários médicos parcial ou totalmente.

Caso tenha interesse em saber mais sobre este procedimento, entre em contato clicando no símbolo de whatsapp ao lado.

Onde fazer?

Realizo esta cirurgia nos principais hospitais de São Paulo (SP), juntamente com minha equipe, a fim de proporcionar conforto e a melhor recuperação para o paciente.

Estamos à disposição para receber você em meu consultório.

Ele fica localizado no Jardim Paulista em São Paulo, próximo aos bairros: Jardins, Bela Vista, Pinheiros, Higienópolis e Consolação.

Para contato, clique aqui.

Conclusão

Neste artigo explicamos o que é a raspagem da próstata (ressecção transuretral da próstata), como é feita a cirurgia, suas indicações, vantagens e desvantagens, além da recuperação pós operatória.  

Espero que vocês tenham gostado do artigo!

Um abraço.

Perguntas Frequentes

A raspagem de próstata causa impotência sexual masculina?

A disfunção erétil pode acontecer em torno de 10% dos homens submetidos a este procedimento.

Ela costuma ser transitória e é tratada com medicamentos vasodilatadores.

Qual o tempo de repouso após a raspagem da próstata?

De 2 a 4 semanas. Este período pode variar de acordo com cada paciente, comorbidades, idade e condições prévias.

É importante realizar o repouso após a cirurgia, pelo risco de sangramentos, coágulos e retenção urinária.

Referências

  1. Mayo Clinic. https://www.mayoclinic.org/tests-procedures/turp/about/pac-20384880
  2. Pubmed. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33198500/
  3. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/saude-tambem-e-papo-de-homem-novembro-azul-mes-de-conscientizacao-sobre-a-saude-do-homem/

Artigo escrito por:

Dr. Eduardo Costa

Dr. Eduardo Costa

Médico Urologista. CRM: 175220-SP | RQE: 103714 Especialista em Cirurgia Minimamente Invasiva (Cirurgia Robótica, Videolaparoscopia e Laser)

Utilizamos cookies para tornar melhor a sua experiência em nosso site. Assim, podemos personalizar conteúdos e oferecer uma navegação mais segura. Ao continuar, você aceita o uso de cookies. Acesse nossa Política de Privacidade para saber mais