5 causas graves de dor no testículo esquerdo | Dr. Eduardo Costa

dor no testiculo esquerdo

A dor no testículo esquerdo é um sintoma extremamente incômodo que gera grande desconforto e preocupação entre os homens.

Pode ser causada por diversas doenças locais ou a distância, sendo algumas delas urgências urológicas que exigem tratamento cirúrgico imediato.

O objetivo deste artigo é explicar as cinco principais causas graves de dor no testículo esquerdo.

Por que ocorre a dor nos testículos?

Esse desconforto pode ser desencadeado por alterações locais ou a distância.

As alterações locais correspondem a patologias que acometem as seguintes estruturas:

– Bolsa escrotal;

– Testículos;

– Epidídimo;

– Ducto deferente.

Inflamações, isquemia e até tumores nesta região podem cursar com dor no testículo esquerdo ou direito.

Já as alterações a distância, abrangem diversas patologias que variam desde cólicas renais até compressões de terminações nervosas.

Cada patologia pode apresentar sintomas específicos além da dor testicular, que serão explicados a seguir.

Sintomas

Os sintomas são extremamente variáveis e dependem de cada patologia.

Os principais são:

– Inchaço no testículo

– Vermelhidão local

– Náuseas e vômitos

– Aumento da sensibilidade local

5 causas graves de dor no testículo esquerdo

Existem inúmeras causas para este desconforto, que variam desde inflamações locais até dores de coluna irradiando para essa região.

No entanto, hoje falaremos somente sobre as principais causas de dor que devem levar você ao médico urologista imediatamente.

Torção testicular

A torção testicular é uma das causas mais graves de dor testicular e exige identificação e cirurgia imediata.

O testículo é uma região bem vascularizada, contendo veias e artérias, que são os responsáveis pelo fornecimento de oxigênio e nutrição local.

Quando ocorre a torção, há um comprometimento abrupto da irrigação testicular, ou seja, uma isquemia.

E esta é a principal razão pela qual esta é uma urgência urológica.

A isquemia pode levar a necrose testicular e a perda do testículo com o passar do tempo, principalmente após oito horas de torção.

A torção ocorre mais adultos jovens (entre 12 a 18 anos), mas pode acontecer em qualquer idade.

A causa é desconhecida, porém acredita-se que esta é uma malformação congênita local.

Ela manifesta-se como uma dor testicular súbita, de forte intensidade, associada ao inchaço e a lateralização ou não do testículo.

O diagnóstico deve ser feito imediatamente pelo exame físico e ultrassom doppler.

O tratamento é cirúrgico e envolve a distorção do testículo, avaliação da sua integridade e fixação de ambos os testículos.

Caso o testículo não esteja viável, ele deve ser removido e enviado para biópsia.

dor no testiculo esquerdo
Diversas doenças no testículo e no epidídimo podem causar dor no testículo esquerdo.

Orquiepididimite

É uma inflamação que ocorre no testículo e no epidídimo e que pode muitas vezes ser confundida com uma torção testicular.

Ela acomete indivíduos em dois extremos de idade: adultos jovens e idosos.

É causada pela proliferação de bactérias da própria flora bacteriana local ou por infecções sexualmente transmissíveis.

A orquiepididimite manifesta-se como uma dor no testículo esquerdo ou direito, de início súbito ou insidioso, vermelhidão local, endurecimento e aumento testicular.

O diagnóstico e a diferenciação com a torção testicular é feito pelo ultrassom doppler e exame físico.

Já o tratamento, é realizado com o uso de antibióticos específicos, de acordo com a causa.

Traumas

Quase todo homem já sofreu algum tipo de trauma na região do testículo, seja por meio de uma bolada, ou até um acidente.

O que poucos homens sabem é que todo trauma testicular de alto impacto deve ser investigado pelo médico urologista de forma imediata!

Ele pode cursar com aumento da bolsa escrotal, dor de forte intensidade, equimose e hematoma escrotal.

E qual o problema que isso gera, se não for tratado imediatamente?

Os traumas testiculares são basicamente divididos em traumas com ou sem o rompimento da túnica albugínea.

Esta é uma camada que envolve o testículo e garante a sua vitalidade.

Quando há o rompimento da túnica albugínea ou mesmo a suspeita de rotura, o tratamento deve ser cirúrgico.

Durante a cirurgia, será avaliado a viabilidade do testículo e o fechamento desta túnica, assim como a drenagem do hematoma local.

Isso permite que o testículo não atrofie e não perca sua função.

Tumores

A presença de um nódulo no testículo, associado a dor ou desconforto, deve sempre ser prontamente investigado.

Ele será considerado um tumor maligno, até que se prove o contrário.

Isso porque essa neoplasia, se não tratada, pode se espalhar para outras partes do corpo.

Os tumores testiculares cursam muitas vezes com pouco ou nenhum desconforto.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de testículo apresenta uma prevalência mundial de 1% dos tumores masculinos e 5% das malignidades urológicas.

Eles são diagnosticados através do exame físico, dosagem dos marcadores tumorais (alfa fetoproteína, BHCG, DHL) e ultrassonografia doppler.

São realizados também os exames de estadiamento, como a tomografia computadorizada de tórax, abdome e pelve.

O tratamento depende do estadiamento, mas quando a doença está localizada no testículo, ele consiste em realizar a preservação dos espermatozoides (criopreservação do sêmen) e a cirurgia para a retirada do testículo via inguinal.

O seguimento da doença deve ser feito com o médico urologista através do exame clínico e com a dosagem dos marcadores tumorais.

Cólica renal

A cólica ou crise renal é uma dor súbita, de forte intensidade, que se inicia na lombar e pode irradiar para os testículos.

Costuma ainda ser acompanhada de náuseas, vômitos, sangramento na urina e febre (quando há infecção associada).

Ela ocorre quando há a migração de um cálculo renal para o ureter, que aumenta a pressão local e dificulta passagem da urina. Essa obstrução desencadeia uma dor de forte intensidade.

O diagnóstico é confirmado através de exames de imagem, como o ultrassom ou a tomografia de abdome e pelve (padrão ouro).

O tratamento depende do tamanho do cálculo, sua localização, a presença de infecção associada, entre outras.

Ele pode variar desde o uso de medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios e medicamentos que dilatam o ureter, até a cirurgia de pedra no rim a laser.

Onde tratar dor no testículo esquerdo em São Paulo?

Realizo a investigação e tratamento no meu consultório, localizado em uma travessa da Avenida Paulista, em São Paulo – SP.

Caso seja necessária uma cirurgia, realizo nos principais hospitais de São Paulo.

Para mais informações, clique aqui ou no símbolo de WhatsApp ao lado.

Conclusão

Neste artigo, falamos sobre as 5 causas de dor no testículo esquerdo que podem ser graves e exigem tratamento imediato.

Explicamos um pouco sobre as doenças e os possíveis tratamentos.

Espero que vocês tenham gostado do artigo.

Um abraço.

Perguntas frequentes

O que fazer quando o testículo esquerdo estiver doendo?

É necessário procurar o pronto socorro imediatamente para ser avaliado pelo médico urologista.

A dor no testículo, principalmente de origem súbita e de forte intensidade, deve ser investigada e tratada adequadamente.

Isso porque existem causas que exigem um tratamento cirúrgico de urgência, como a torção testicular (isquemia testicular), que deve ser diferenciada de outras doenças.

Quando a dor no testículo é preocupante?

A dor no testículo é preocupante quando se inicia de forma repentina e de forte intensidade.

Diversas doenças podem cursar com esse sintoma, como a torção testicular, a orquiepididimite e a cólica renal.

O aumento do volume testicular, acompanhado ou não de dor, também deve ser investigado imediatamente, pois pode ser um tumor testicular.

Vale lembrar ainda que, quando há uma dor testicular de baixa intensidade, porém persistente, esta também deve ser investigada, pois existem múltiplas doenças que podem cursar com esses sintomas, como a hérnia inguino-escrotal e a orquialgia crônica.

Referências

  1. Gordhan, Chirag G, and Hossein Sadeghi-Nejad. “Scrotal pain: evaluation and management.” Korean journal of urology vol. 56,1 (2015): 3-11. doi:10.4111/kju.2015.56.1.3
  2. Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Artigo escrito por:

Dr. Eduardo Costa

Dr. Eduardo Costa

Médico Urologista. CRM: 175220-SP | RQE: 103714 Especialista em Cirurgia Minimamente Invasiva (Cirurgia Robótica, Videolaparoscopia e Laser)

Utilizamos cookies para tornar melhor a sua experiência em nosso site. Assim, podemos personalizar conteúdos e oferecer uma navegação mais segura. Ao continuar, você aceita o uso de cookies. Acesse nossa Política de Privacidade para saber mais